Linha de apoio para que possa obter esclarecimentos sobre a forma de promover o sucesso escolar, as relações interpessoais, os comportamentos saudáveis e o bem-estar das crianças.

Envie a sua questão
PESQUISAR
 
TEMAS

"não!"

2 anos

acordar a meio da noite

actividades

adolescência

agressividade

almoçar na escola

anjinho

ansiedade

assertividade

autonomia

avós

birras

boçar

bondoso

brinca

brinquedos

bruxas

calendário

cansaço

castigos

causa

ciume

comida

competencias; criança; adaptada

comportamento

comportamento alimentar

compromisso

comunicação

contrariedades

crianças hiperactivas - parte 1/3

crianças hiperactivas - parte 2/3

crianças hiperactivas - parte 3/3

criatividade

cultura

delegação; competências; reforço; positi

depressão

desafiar os pais

desenvolvimento

diagnóstico

dificuldades cognitivas

dificuldades de aprendizagem

dinamica familiar

disciplina

dislexia

divorcio

divórcio

doenças

dores de cabeça

dormir

educação

emoção

ensino

escola

esfincter anal

estratégias

falar durante a noite

familia

fraldas

frustração

grelha; acompanhamento; relação

hiperactividade

horários

individuação

infantário

influencias

irmaos

irmãos

irmãos; relação; equipa; partilha

irritações

isolamento

limites

medos

modelos de educação

negociação

negociar

negociar com emoção

obesidade infantil

pais

palmadas

pensamento simbolico

permissividade

privacidade

quarto dos pais

refeições

regras

relação pais-filhos

respostas

separação

separação de pais

sexualidade

sono

sonolencia

sopa

tempo; pais; angustia; dedicação

tolerância

tv

vómito

xi-xi

todas as tags

ARTIGOS
Educação
ARQUIVOS

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007
Crianças Hiperactivas - Parte 1/3

O Enquadramento da Hiperactividade

Numa altura tão importante como a do início do ano lectivo, o regresso às aulas, ou o início para quem nunca foi, pode ser um dos tais momentos onde podem aparecer sinais de comportamentos fora do contexto habitual. Ora, como não queremos que por um lado a negligencia desenvolva ainda mais as dificuldades, e por outro que a falta de atenção promova outras, como a depressão pela desmotivação, por exemplo, é uma boa altura de ficarmos mais vigilantes acerca destas questões.

 

Durante o desenvolvimento infantil duma criança a interactividade e a exploração que ela faz com o mundo pode ter uma forma mais intensa numas alturas que noutras, mas geralmente ganham uma expressividade maior sempre que se desenvolve mais uma competência ou quando se dá a passagem para mais um estádio novo do desenvolvimento. É normal as crianças, pelos seus próprios pés vasculharem tudo, pegarem em tudo, de subirem a cadeiras, de treparem a móveis, de tocarem em quadros pendurados, etc. Faz sentido, portanto, com tantas coisas interessantes para fazerem e descobrirem, não haja razão nenhuma para ficarem quietos…

Mas enquanto toda esta actividade é normal na maioria das crianças, noutras a actividade parece que se manifesta a uma velocidade louca, como se estivessem dentro dum mundo de caleidoscópios. Para estas crianças, que têm uma Perturbação Deficitária da Atenção/Hiperactividade (PDAH, DSM, 1994), as imagens, os sons e os pensamentos parecem estar sempre a distrai-los, e têm uma grande dificuldade em se concentrarem numa tarefa ou objectivo. A prevalência da PDAH anda na ordem dos 3% a 5% da população infantil, sendo que, existem mais casos nos rapazes que nas raparigas. Têm como característica a presença de uma desatenção e uma hiperactividade que são invasoras, intrusivas e que estão muito presentes em casa e na escola.

 

O Retrato Dinâmico da Criança Hiperactiva

A primeira pergunta que se deve fazer é porque será que há crianças que escolhem a hiperactividade como via motora de expressão sintomática dum conflito? A primeira vez que se pode observar a uma grande agitação ou irrequietude motora em crianças hiperactivas é por volta dos 2 e os 3 anos quando já estão na idade capazes de usar bem o andar e o correr. É precisamente neste período do desenvolvimento infantil que decorrem processos psicológicos complexos como a “separação” inicial da mãe, onde a locomoção e o sentimento de constância de objecto consolida-se e completa-se. Progressivamente vai-se construindo a capacidade de simbolização que vai permitir chegar às brincadeiras simbólicas, e ao pensamento complexo.

Nesta fase, as necessidades emocionais da criança fazem-na reaproximar-se da mãe, encontrando-se com alguma autonomia psicológica adquirida mas ainda com uma dependência de reabastecimento emocional directo da mãe. Assim, a criança quando se reaproxima, reassegura-se do amor, do interesse e aprovação da mãe e pode-se novamente afastar. O problema da criança irrequieta é que não adquiriu este sentimento de confiança básica nem conseguiu construir uma capacidade eficaz de simbolização, que permita representar mentalmente, de um modo calmante, a ausência ou a presença da mãe. Este tipo de crianças vão tendencialmente permanecer num estado de reaproximação/afastamento sem fim, enquanto não forem capazes de reduzir mentalmente as suas angústias e inseguranças. O que acontece é que nestas crianças os processos de individualização ficaram para trás em relação à dimensão motora dos processos de separação.

Na maioria das crianças hiperactivas a chamada separação psicológica acabou por ocorrer sempre à frente do tempo. É por isso que o processo de individualização revela-se insuficiente. Isto é, foram crianças que sofreram uma precipitação no processo separação/individuação, instalando-se assim quadros de ansiedades.

Estas ansiedades, para além de se caracterizarem como deprimidas, são também caracterizadas como persecutórias na medida que uma criança que “foge” é porque se sente “perseguida”. Trata-se evidentemente de uma perseguição interna derivada de como se foi constituindo e estruturando o seu self com os seus objectos internos. Será pois uma fuga manifestada num exterior sem fim, através de expressões motoras e cognitivas agitadas e irrequietas. A escolha do sintoma motor deriva assim de ser a via possível de alívio que a criança encontra para as suas ansiedades depressivas e persecutórias, na etapa que o conflito irrompeu.

Uma consequência desta dinâmica consiste na insuficiente capacidade de simbolização e de abstracção, apesar da inteligência destas crianças ser normal.

(continua...)

A equipa Let's Grow



Publicado por consultoriodeeducacao às 14:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos


Marque a sua consulta







Morada:
Av. António Augusto de Aguiar, 38 R/c Esq.
1050-016 Lisboa
Telefones: 93 933 55 88 / 91 659 88 38
email: info@letsgrow.pt
www.letsgrow.pt
http://consultoriodeeducacao.blogs.sapo.pt/

O QUE É … A LET’S GROW?

A Let’s Grow é um projecto português que nasceu em 2006 da necessidade sentida pelos Psicólogos Miguel Botelho de Barros (área Clínica) e Rui Nunes da Silva (área Social e das Organizações) de criar um programa de consultoria para a infância. Deste modo, a Let’s Grow integra na sua formação duas áreas distintas mas complementares que, ao cruzarem informação, permitiram melhorar significativamente a compreensão e a resposta face às lacunas sentidas nos projectos próprios da infância relativamente às competências sociais e emocionais.

A Let’s Grow é um conceito inovador e muito prático, que adapta as últimas descobertas da Psicologia Social e do Desenvolvimento Infantil às novas necessidades do séc. XXI. Através da aplicação de uma metodologia eficaz e rápida, È possível as crianças experimentarem e interiorizarem as ferramentas que promovem um desenvolvimento mais completo.

A nossa Missão

A missão da Let’s Grow é ser a Parceira das Crianças, suas Famílias e Escolas, de modo a que todos consigam gerir de forma eficaz os processos de crescimento e de mudanças, através do desenvolvimento e optimização das suas competências emocionais e sociais.
blogs SAPO
RSS